Módulo 1: Introdução ao novo coronavírus

COVID-19
Manejo da infecção causada pelo novo coronavírus

Boas-vindas

Dr.ª Marília Santini – Infectologista

Aula 1

Conceitos básicos

Seja bem-vindo à primeira aula do Módulo 1 do seu curso, no qual apresentaremos, brevemente, o que se sabe no momento sobre o surgimento de vírus respiratórios, especificamente o novo coronavírus. Elucidaremos os principais conceitos relacionados ao tema.

Ao final desta aula você será capaz de:

  • Conhecer a origem dos vírus respiratórios, os tipos de Coronavírus;
  • Compreender as nomeclaturas utilizadas para definir o vírus e a doença;
  • Compreender a diferença entre pandemia e epidemia.

Lembre-se de que este é um novo vírus - o que se sabe agora poderá mudar no futuro.

O que são os coronavírus

Os coronavírus dizem respeito a um grande grupo de vírus. Os primeiros coronavírus humanos foram isolados em 1937. No entanto, apenas em 1965 o vírus foi nomeado: em decorrência do perfil na microscopia, foi observada semelhança com uma coroa. Como em latim “coroa” é chamada Corona, esses vírus receberam o nome de coronavírus.

Cada um deles é formado por um núcleo de material genético, cercado de envelope com espículas de proteínas.

Foto do vírus

Origem dos vírus respiratórios emergentes

Segundo a Organização Mundial da Saúde o SARS-CoV foi transmitida por gatos selvagens para humanos na China, em 2002, e o MERS-CoV foi transmitida pelos dromedários para humanos na Arábia Saudita, em 2012. Vários coronavírus conhecidos e que circulam entre os animais ainda não infectaram humanos. Quando um vírus que circula em uma espécie animal é transmitido para os humanos, ocorre o que se denomina "spillover“.

Alguns exemplos de vírus respiratórios emergentes incluem:

2002

Síndrome Respiratória AgudaGrave -Coronavírus(SARS-CoV)

2009

Gripe H1N1

2012

Síndrome respiratória do Oriente Médio-Coronavírus (MERS-CoV)

2019

Novo coronavírus

Existem diferentes tipos de coronavírus que causam sintomas respiratórios e, as vezes, gastrointestinais.

As doenças respiratórias podem variar de uma gripe comum à uma pneumonia e, na maioria das pessoas, os sintomas tendem a ser leves. No entanto, existem alguns tipos de coronavírus que podem ter maiores riscos de evoluir a formas graves da doença. Segundo a OMS, adultos com mais de 60 anos e pessoas com doenças preexistentes têm maiores riscos de ter a doença agravada. Algumas das doenças preexistentes de alerta são: hipertensão arterial, diabetes, doença cardíaca, doença pulmonar, neoplasias, transplantados e uso de imunossupressores.

Origem do novo coronavírus

Mapa

Fonte: Google Maps

Recentemente, um grupo de pessoas foi infectado pelo Coronavírus associado a um quadro de pneumonia. Os casos ocorreram em um mercado de frutos do mar e animais vivos na cidade de Wuhan, na China.

Em dezembro de 2019 o aumento do número de casos de pneumonia no país chamou a atenção das autoridades sanitárias e as investigações realizadas identificaram que a causa desse quadro foi um vírus até então desconhecido que passou a ser chamado SARS-CoV-2*.

Desde então, a doença provocada pelo novo coronavírus (COVID-19) vem sendo transmitida de pessoa a pessoa, aumentando o número de infectados nas famílias, entre profissionais de saúde e na população em geral.

Agora vamos assistir a aula do Dr. Estevão Portela Nunes, vice-diretor de Serviços Clinicos do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz).

Aula inaugural do PROFSAÚDE ministrada pelo PROF. ESTEVÃO PORTELA NUNES

Conceitos básicos

Coronavírus, COVID-19 e SARS-CoV-2

Diante do excesso de informações que temos lidado durante esse período de pandemia, a aplicação das nomeclaturas coronavírus, COVID-19 e SARS-CoV-2 ainda estão confusas para muitas pessoas.

CORONAVÍRUS

Coronavírus

Os coronavírus são um grande grupo de vírus. Eles consistem em um núcleo de material genético cercado por um envelope com espículas de proteínas. Os primeiros coronavírus humanos foram isolados em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

SARS-CoV-2

SARS-CoV-2

O novo agente do coronavírus, com que estamos lidando agora, pela semelhança genética com o coronavírus da SARS de 2003, recebeu o nome SARS-CoV-2. Quando estiver se referindo ao vírus, escreva o SARS-CoV-2, o coronavírus, ou o novo coronavírus. Exemplo: “Mais de 290 estão infectadas pelo coronavírus no Brasil”

COVID-19

COVID-19

A doença causada pelo SARS-CoV-2 foi chamada de COVID-19, uma sigla que vem do inglês COronaVIrus Desease, do ano de 2019. Quando a referência for à doença, utilize COVID-19, precedida por artigo feminino, caso necessário. Exemplo: A (doença) COVID-19 já matou mais de 2.500 pessoas na Itália.

Cabe destacar também que o CID 10 – o código para registro de casos, conforme as definições – será U07.1. Infecção pelo novo Coronavírus (COVID-19).

Pandemia, Epidemia

Pandemia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, em 30 de janeiro de 2020, que o surto da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional – o mais alto nível de alerta da Organização, conforme previsto no Regulamento Sanitário Internacional. Em 11 de março de 2020, a COVID-19 foi caracterizada pela OMS como uma pandemia . O termo e refere à distribuição geográfica de uma doença e não à sua gravidade. A designação reconhece que, no momento, existem surtos de COVID-19 em vários países e regiões do mundo.

Epidemia

Ocorrência de casos de uma doença, comportamento especificamente relacionado à saúde, ou outros eventos relacionados à saúde claramente em excesso da expectativa normal em determinada comunidade ou região. A comunidade ou região e o período nos quais os casos ocorrem são precisamente especificados. O número de casos indicando a presença de uma epidemia varia de acordo com o agente infeccioso, tamanho e tipo de população exposta, além de experiência prévia ou falta de exposição à doença, tempo e lugar de ocorrência.

Saiba mais:

A responsabilidade de determinar se um evento constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional cabe ao diretor-geral da OMS e requer a convocação de um comitê de especialistas, que é chamado de Comitê de Emergências do RSI (Regulamento Sanitário Internacional).

Esse comitê dá um parecer ao diretor-geral sobre as medidas recomendadas a serem promulgadas em caráter emergencial. Essas Recomendações Temporárias incluem medidas de saúde a serem implementadas pelo Estado Parte onde ocorre a ESPII – ou por outros Estados Partes conforme a situação – para prevenir ou reduzir a propagação mundial de doenças e evitar interferências desnecessárias no comércio e tráfego internacional.

Em 30 de janeiro de 2020, a OMS declarou que o surto do novo coronavírus constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII) – o mais alto nível de alerta da Organização, conforme previsto no Regulamento Sanitário Internacional.

Em 11 de março de 2020, a COVID-19 foi caracterizada pela OMS como uma pandemia. O termo “pandemia” se refere à distribuição geográfica de uma doença e não à sua gravidade. A designação reconhece que, no momento, existem surtos de COVID-19 em vários países e regiões do mundo.

O termo pandemia é usado quando uma epidemia- grande surto que afeta uma região - se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa a pessoa.

Qual a diferença entre pandemia, epidemia, surto e endemia? Entenda melhor em: Telessaúde São Paulo

Chegamos ao final da aula 1

Nessa aula você conheceu os vírus respiratórios emergentes e aprendeu como surgiu o novo coronavírus. Na próxima aula você encontrará informações sobre Transmissão, Sintomas, Diagnóstico e Prevenção.

Até a próxima aula. Bom trabalho!

Atividade

Pergunta:

A doença causada pelo SARS-CoV-2 foi chamada de: